– DELICADEZAQ EM ORAÇÃO – 15 anos de Louise

 

Falar de Lou a gente faz sem nenhum esforço. Basta pensar na figura e nos seus dez mais cinco aninhos de viço. Basta lembrar-se da textura de suas mãos pétalas de rosa. Basta recolher da memória a sonoridade de seus agrados Basta distrair-se com a leveza de seu olhar.

D e l i c a d e z a é a expressão que encontro para caracterizar Louise  Marques Pires.

Será que d e l i c a d e z a é uma questão de gene, de DNA?

Os filhos de Josi e Neto apontam para isso.

Entretanto, no quando agora, de Caetano Veloso, não vou falar de Mateus, o Agostinho Carrara dos Pires. A noite é da Loura, dona absoluta de nossos corações.

Lou é  d e l i c a d e z a.

D e l i c a d e z a, d e l i c a d e z a, d e l i c a d e z a.

Se Lou é d e l i c a d e z a, o que é d e l i c a d e z a?

Como não poderia deixar de ser, foi na delicadeza que

Andei buscando sentidos para d e l i c a d e z a.

Encontrei alguns.

 

D e l i c a d e z a é voz mansa.

É cuidado que não cansa.

São coisas pequenas e suaves.

É a nevasca contornando árvores e o orvalho sobre relvas e aves.

É a neblina sem vaidade que contrasta tempestade.

É o sol da manhã que com delícia acaricia nossa preguiça.

É a brisa amorosa que faz o sentimento respirar fundo.

É a leveza do beija-flor pelo mundo.

É o aconchego quando chego.

É o menino passarinho com vontade de voar – de Luiz Vieira.

É o venha Ca Se gosta de mim.

É acalanto pra ninar neném.

É boi da cara preta.

É escuta.

É desapego.

É o encontro do sossego.

É ternura de mãos se encontrando – de Dolores Duran.

É suspiro, é brevidade, que MERA com amor, a MÃEZINHA da meninada,  fazia pra meu avô.

É cafuné no pé de Mané.

É bolo de aniversário.

É brigadeiro

É sopa de letrinha e brinquedo de casinha.

É notícia de marinheiro que vem aí bom tempo.

É dó, ré mi, fá…

É colo de mãe pra gente dengar.

É vento que balança a palha do coqueiro – de Dorival Caymmi.

É cheiro de alfazema

É doce de leite.

É saudade de Neite.

É olhar cabreiro no primeiro de janeiro.

É toque de mãos.

São fogos, fagulhas, animação que, de Itacimirim para o mundo, fazem nosso São João.

É faz de conta de avô e de avó.

É paciência de Jó.

É bom humor em clave de dó.

É pular de um pé só.

São as coisas tolas que o amor parece me dizer – de Jorge Vercilo.

É o não importar de dar vacilo.

É a brevidade do belo que com lembrança faz elo.

É a mais fina filigrana que não rima com grana,

mas ameniza a dureza da desventura cotidiana.

É a lição das coisas simples que conduz nossa ação.

Enfim, d e l i c a d e z a  é  O R A Ç Ã O.

 

Lou Lou do meu coração,

Que a sua d e l i c a d e z a se espalhe em forma de semente e encontre muito boa terra e encante muita gente. Sabe por que querida?

Porque estamos todos, absolutamente todos, sem distinção de tamanho ou idade, carentes de um mundo que deslize pelo caminho da afetividade.

E que as mãos da Criação faça em sua vida uma permanente canção, esta é a minha ORAÇÃO!

Vovó Mary

29/05/2010.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: