Um Saci!

agosto 20, 2008

Decididamente, Menandro Ramos é um Saci. Tanto fez que acabou me envolvendo nessa coisa de literatura virtual. Veja se pode? Um verdadeiro capeta! Aliás, eu sempre digo a ele, ou pelo menos já ensaiei dizer: se houvesse uma versão masculina da Emília Lobatiana, sem dúvida, mas sem dúvida mesmo, ele seria a legítima personagem.

Pois não é que ele acabou me convencendo a tomar a beberagem que receitei para Monteiro Lobato? Ah, você não está sabendo? É inacreditável que em tempo de internet alguma coisa ainda fique em segredo… Bem, mas isso depois eu conto. Por hora, você basta saber que resolvi publicar no meu Weblog (chique, não?) umas coisinhas bobas que venho escrevendo. Morro de vergonha de mostrá-las a estranhos, pois os amigos são mais indulgentes… Imagine que o safado do Menandro volta e meia está querendo, ainda em vida, claro, me fazer sentar numa mesa de bar, na qual não tenho estatura nem pra encostar.  Eu posso com um amigo desse?

Mas no fundo sei que ele só quer me botar pra frente. Afinal, amigo é pra essas coisas…

Assim, morrendo de vergonha (e de alegria, porque não confessar?) lanço-me para o mundo. Seja o que a Providência quiser! Nada de mais, portanto. Apenas uns escritinhos minúsculos, bêbados de mundo, mas prenhes de emoção. Às vezes alegres, às vezes tristes, às vezes debochados. Fazer o quê, não é Saci?

Admito que sempre tive vontade de escrever um livro de crônica. Quem sabe se aqui não está o berço de uma publicação impressa futura, despretensiosa, debochadamente profetizada? Quem sabe se um dia não poderei dizer que o meu amigo, além de louco, muito louco, não é também um profeta, quem sabe? Ou pelo menos um, profetinha? E quem sabe ainda se não criarei gosto pelo virtual, sem desprezar o analógico, ainda que sem nunca me tornar “uma hacker”?

Deixemos o rio passar!… Há mais coisas entre bites e bytes do que a nossa vã tecnologia pode imaginar, já tentou dizer alguém… Teria sido o Saci, plagiando alguém famoso, incorrigivelmente moleque?

Meus escritos, enfim!  Apenas rascunhos.